qual a diferença do branco e do nulo?

O voto branco

O voto branco simplesmente é um voto que não vai para nenhum dos candidatos, mas é um voto válido. Ao contrário do que muitos pensam, o voto branco não vai para o candidato com mais votos. Essa é uma crença que surgiu da época dos votos por cédula, quando era fácil fraudar uma cédula em branco durante a contagem para ter o voto de qualquer candidato. O voto em branco registra a vontade do eleitor de não influenciar na decisão, um voto "tanto faz", de quem não tem preferência mas que se contenta com qualquer candidato.

O voto nulo

O voto nulo tem um papel mais contestador. O voto nulo, ao contrário do branco que significa que qualquer candidato serve, significa que nenhum candidato serve. O voto nulo representa a vontade do eleitor de que nenhum dos candidatos se eleja.
Existe uma crença por parte da população de que se mais de 50% dos votos forem nulos, a eleição é invalidada e deve ser feita uma nova eleição. Essa crença (da qual eu mesmo fui vítima) foi criada a partir de uma ambigüidade em um artigo do código eleitoral que afirma a nulidade da eleição quando da nulidade de mais de 50% dos votos. Acontece que essa nulidade se refere a votos válidos que venham a ser anulados por fraude ou outro motivo, e não os votos nulos.


Qual o efeito do voto nulo ou Branco?

Vamos supor que temos uma eleição em que 10 pessoas votem com 3 candidatos.

Candidato A recebe 4 votos
Candidato B recebe 2 votos
Candidato C recebe 2 votos
Branco e nulo são 2 votos

Qual é o resultado da eleição?
Candidato A terá 50%
Candidato B terá 25%
Candidato C terá 25%

Porque na apuração do resultado só são computados os votos válidos. Por isso o voto Nulo/Branco acaba ajudando quem está na frente, por isso que a Dilma tem 41% e dizem que hoje ela poderia vencer no 1º turno.

qual a diferença do branco e do nulo?

 

http://www.youtube.com/watch?v=j_HWHFrrkxg&feature=player_embedded

 

Por A verdadeira candidata do PT

 

O POVINHO BURRO!!

Nao consigo compreender esse povo burro q nao consegue enxergar verdades e mentiras em candidatos e nas campanhas de qualquer candidato.
Volta e meia, la estao eles elegendo, Sarneys, Collor, Lula e Malufs...
Impossivel outra definicao senao BURROS, ja q esse adjetivo e dado aos q nao conseguem compreender as coisas, ou a mesma coisa q ignorante.
Como e dificil colocar na cabeca das pessoas q o lula e o maior ladrao e sua a maior quadrilha da histora desse pais?
Como colocar na cabeca deles q a Dilma Burrossef e bandida, do capeta, mas bandida mesmo... roubos, assaltos, sequestros, mortes dentre outros...
Como colocar na cabeca dessa gente q o Brasil comecou a melhorar a partir do Itamar, FHC que quiseram junto com sua equipe lancar um plano, uma moeda para q desse certo?
O lula parece, segundo o proprio Jabour q e deus, pois o Brasil do nada se tornou o q e hj. Ele, em apenas 8 anos criou o Brasil da materia e por isso fica diariamente dizendo: NUNCA ANTES NESSE PAIS!!!
O Brasil melhorou em muitas coisas economicamente falando, mas as quatro obrigacoes de um governo segundo a constituicao, simplesmente PIOROU. Casos da Habitacao, Saude, Educacao e seguranca.

O povinho burro!!

Ou Acho q e porque vivo no Reino Unido!!

 

Por ωэรℓэ'ý & ANALU

Adeus Liberdade

Nossa liberdade de expressão já acabou.

As leis eleitorais proíbem que vocês se manifestem da maneira que desejar, os jornais são pautados pelo PT, jornalistas "isentos" fazem campanha descaradamente e talvez ninguém enxergue que durante o governo do PT a Globo pela primeira vez na história diminuiu de tamanho, porque a Record que é mais bem vista pelo PT está crescendo.

O Paulo Henrique Amorim é da Record, uma pessoa radical como ele estaria numa emissora que não fosse alinhada com o PT?

Os jornais impressos noticiam no dia seguinte o que vemos um dia antes os petralhas falando por ai.

Nossa liberdade já era, nossa democracia está por um fio e fazer o que, pra terminar só falta eleger alguém de pulso firme com coragem de acabar de vez com a democracia, que coisa esse é o perfil da Dillma.

Eu estava vendo a propagando eleitoral terça e parecia que o candidato era o Lula, isso não existe, a justiça não faz nada? Não é propaganda enganosa? o TSE coloca uma propaganda hipócrita de um recrutamento de funcionário, como se nós recrutarmos o candidato, por acaso você pode mandar alguém ir fazer uma entrevista de emprego no seu lugar?

Hipocrisia, demagogia, falta de lei, irresponsabilidade = Ditadura.

Vivemos em uma ditadura, só que como é gradual não sentimos.

Com que rosto eu vou?

Sabe que eu entendo a frustração de muitos com políticos e política.

Mas eu me recuso a achar que são todos iguais, seja o candidato que for, existem opções. Cabe você analisar e achar qual você concorda mais.

Agora eu pergunto, como votar em uma candidata que precisa mudar de rosto pra ganhar a eleição?

Foi o que ela fez, se vocês olharem a Dilma de um atrás e a essa Dilma, daria pra dizer que são pessoas diferentes.

Que rosto ela terá como presidente?
O Lula foi preso na ditadura, mas pelo menos em registro não me lembro de ter lido que ele fez parte de grupo terrorista, ele era sindicalista. Factóide ou não, ele representava o trabalhador. O metalúrgico do ABC tem o maior salário do Brasil, de tanto que o sindicato usado de maneira eleitoral combatia as indústrias.

Eu não sei o que seria a Dilma presidente, ela nem deputada foi pra sabermos os ideais de luta, mas eu deduzo o que seria as atitudes de Dilma.

A Dilma na verdade representa o PT e o Lula do passado, ela não foi escolhida a toa, se essa Dilma fracassar o Lula aparece em 2014 e diz "Eu sou a solução", mas não esqueça que se a Dilma fracassar o preço será pago por você, por mim, por nós..

E digo novamente, todo mundo sabe que o Lula tem um ego que não cabe nele, jamais ele indicaria alguém que ele pense que faça um governo melhor que o dele. Nada me espanta que o Lula abandone a Dilma em 2013 e diga "Eu não sabia", se apresente como a solução do problema que estaremos vivendo.

Talvez os problemas sejam inevitáveis ganhe quem ganhar e talvez o destino queira que quem criou os problemas que pague. É assim que encaro uma possível vitória da Dilma.

Acredito que nada é por acaso, por isso tenho minha convicção, se Dilma continuarei sendo a minoria, agora minoria hoje pode virar maioria amanhã.

Voltamos

Estamos reativando o blog pra campanha contra Dilma. Vamos tirar o Brasil do vermelho.

BRASIL SEGUNDO ÍNDICE DE ANALFABETISMO NA AL!
28/09/2007 - 10h05
Brasil tem segundo maior índice de analfabetismo da América do Sul

Bruno Aragaki
Uol da Redação

A queda de 29,1% na taxa de analfabetismo entre 1996 e 2006 não foi suficiente para tirar o Brasil do incômodo penúltimo lugar no ranking de alfabetização na América do Sul. Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgados nesta sexta-feira, o percentual de brasileiros que não sabem ler e escrever é inferior apenas ao da Bolívia, onde a taxa de analfabetismo foi de 11,7% em 2005.

Analfabetismo na América Latina e Caribe*
Haiti 45,2
Nicarágua 31,9
Guatemala 28,2
Honduras 22,0
El Salvador 18,9
República Dominicana 14,5
Bolívia 11,7
Jamaica 11,3
Brasil 11,1
Peru 8,4
México 7,4
Colômbia 7,1
Equador 7,0
Panamá 7,0
Venezuela 6,0
Paraguai 5,6
Porto Rico 5,4
Belize 5,3
Bahamas 4,2
Costa Rica 3,8
Chile 3,5
Antilhas Holandesas 3,1
Argentina 2,8
Cuba 2,7
Uruguai 2,0
Trinidad e Tobago 1,2
Guiana 1,0
Barbados 0,3
Média 9,95
*Dados do Cepal 2005

Em relação a todos os países latino-americanos e caribenhos, o Brasil também vai mal no quesito: tem o 9º pior índice do grupo.
 
Mais grave ainda é a situação do Nordeste, que tem o mais elevado índice entre as cinco regiões do país. Na média, um em cada cinco nordestinos declarou que não sabe ler nem escrever um bilhete simples. Se fosse um país, o Nordeste teria o 5º pior desempenho em alfabetização da América Latina e Caribe, à frente apenas de Honduras, Guatemala, Nicarágua e Haiti.

Na comparação de dados de população urbana da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) com os da Cepal (Comissão Econômica para América Latina e Caribe) em 2005, o Brasil se saiu pior do que vizinhos de IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) mais baixo, como Peru, Venezuela e Colômbia.

A taxa brasileira de analfabetismo, 11,1% entre os maiores de 15 anos, ficou, em 2005, acima da média do grupo, que foi 9,95%. O número divulgado pelo IBGE referente a 2006, 10,4%, também está acima dessa linha.

O contingente de analfabetos no Brasil acima de 15 anos, 14 milhões de pessoas, coloca o país no grupo das 11 nações com mais de 10 milhões de não-alfabetizados, ao lado do Egito, Marrocos, China, Indonésia, Bangladesh, Índia, Irã, Paquistão, Etiópia e Nigéria.

O grupo é considerado prioritário para a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura), que criou programa de metas de erradicação de analfabetismo até 2015.
AS BRAVATAS DE LULLA!

São Paulo, terça-feira, 25 de setembro de 2007


JÂNIO DE FREITAS

O acusador

 
Lula não faz esforço algum para respeitar o cargo, soltando-se em um palavrório que vagueia entre o grotesco e o desprezível
ALÉM DE NÃO merecer maior crédito, porque há muito o próprio Lula já esclareceu que seu estoque de credibilidade era fabricado com bravatas e outras enganações, sua entrevista a "The New York Times" é um insulto ao sistema investigatório e judicial brasileiro, portanto ao país mesmo. Bem que mereceria um processo por falta da compostura obrigatória em um presidente. Ou, para estar na moda, digamos que da falta de decoro presidencial.
É no trecho em que defende José Dirceu, mas não pela defesa em si. Lula: "Não acredito que haja qualquer prova de que Dirceu cometeu o crime de que é acusado".
Ou seja, o Ministério Público no Brasil é incompetente e inconfiável. O procurador-geral da República é incapaz e leviano, porque denunciou sem justificaiva o ex-ministro ao Supremo Tribunal Federal. E este tribunal supremo é composto de ministros irresponsáveis, porque decidiram, com base nos elementos insuficientes da denúncia, pelo processo e julgamento de José Dirceu.
O procurador-geral da República não foi apenas nomeado por Lula, foi por ele renomeado para segundo mandato. Seis dos dez ministros do Supremo (maioria absoluta) foram nomeados por Lula. Logo, as palavras de Lula ao NYT não falam só dos nomeados, também ou sobretudo definem as nomeações e seu autor. Mas nem como confissão pessoal são admissíveis em um presidente, e tanto mais se emitidas para conceituações estrangeiras sobre o seu país.
José Sarney padeceu muito por suas referências à "liturgia do cargo" presidencial. Mas a verdade é que se esforçou muito para cumprir tal dever a rigor. As expectativas eram tantas e justificadas, para o que deveria seguir-se à ditadura militar, que até uma expressão adequada excita os ímpetos da insatisfação. Com Lula tem sido o oposto: não faz esforço algum para respeitar o seu cargo, soltando-se em um palavrório infinito que costuma vaguear entre o grotesco e o desprezível.
O Lula que deprecia o sistema investigatório e judicial brasileiro é o Lula cujo ministro da Justiça é esperado hoje da Europa, onde foi exibir a autoridades do Mônaco várias partes do processo condenatório de Salvatore Cacciola. Para quê? Como comprovações da competência e da seriedade do sistema investigatório e judicial brasileiro que condenou o banqueiro fugitivo. E investigou e vai julgar 40 associados a Lula.

A ficção


Ou são feitas alterações nos discursos que Lula levou para os Estados Unidos, ou terão uma função didática para estrangeiros.
Os textos incluíram, por ordem de Lula, extensos trechos para "mostrar que o Brasil tem muito a ensinar ao mundo todo em matéria de proteção ambiental contra o desmatamento e a emissão de CO2", e tome de números. O contraste com os dados que já chegam por lá, comprovando que o desmatamento e as queimadas voltaram a crescer ferozmente na Amazônia, levará à constatação de uma face autêntica de Lula.

O governo Lula parece um escândalo contínuo. E é.
JANIO DE FREITAS

À brasileira

Toda vez que há auditagem, a norma é a comprovação do que se espera de obras do governo: corrupção grossa

PARECE ESCANDALOSO , mas não é. As auditorias do Tribunal de Contas da União constataram que um terço das 231 obras do governo, no valor total de R$ 23 bilhões, está viciado por irregularidades, cujo nome apropriado é corrupção. Toda vez que há auditagem extensa, seja qual for o governo, a norma conclusiva é a comprovação do que se espera das obras governamentais: corrupção grossa; apagar parte do que foi descoberto e transferir o roubo para mais adiante; ministros tão indignados quanto enfortunados, dirigentes idem, e vamos esquecer o azar das descobertas feitas.
Parece escandaloso, mas não é. Lá estão, como destaques nas constatações do TCU, o Dnit e o Dnocs, Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transporte e Departamento Nacional de Obras Contra as Secas. O primeiro é uma invenção do reformismo neoliberal, porque o Departamento Nacional de Estradas de Rodagem, o velho DNER, foi roído pela corrupção até ao último ossinho. O Dnit está sob o ministro Alfredo Nascimento, que só teve oportunidade de aparecer no noticiário, ultimamente, com a ajuda de problemas judiciais.
Parece escandaloso, mas não é. Trata-se apenas de norma que o Dnocs, por sua vez, seja uma sigla para meio século de corrupção, com tantos escândalos que a opinião pública desistiu de escandalizar-se por sua causa. Está sob controle do ministro da Integração Nacional, o deputado Geddel Vieira Lima de quem diziam no Congresso, volta e meia, "Geddel foi às compras" -e lá estava mais um acréscimo patrimonial, com preferência por fazendas, no rol familiar do "anão" de ontem e hoje ministro de Lula. O TCU constatou "irregularidades" em 100% das obras do Dnocs.
O governo Lula parece um escândalo contínuo. E é.

Senado Brasileiro é Pau de Galinheiro

O Senado Brasileiro demonstrou mais uma vez que não esta a favor da opinião pública, e votou contra a cassação de Renan Calheiros. Para os Senadores, pouco importa o que a população pensa, o importante é manter os interesses da casa, e a absolvição do presidente do senado é mais um capitulo triste do Congresso brasileiro.


Depois do resultado da votação, em nota, Renan disse que a sua absolvição é a “Vitória da Democracia”. Será que eu vi bem? Democracia? Desde quanto fechar a porta do congresso na cara do brasileiro é democracia? Uma sessão secreta nunca pode ser considerada como uma democracia, o povo brasileiro tem o direito de saber sobre aqueles que são contra a opinião pública, e exigir respostas.


O PT foi decisivo para o resultado da votação, e ainda dizem com orgulho, que formaram a bancada da “abstenção”. A sigla que durante oito anos da gestão FHC pregava ética e moralidade, agora não têm vergonha na cara de dizer que são a favor da corrupção (ou como bem diz os petistas, desvio de conduta). A articulação feita pela quadrilha do Mercadante horas antes da votação, contribuiu pela permanência de Renan Calheiros a presidência do Senado.


Enquanto isso no Japão, o primeiro-ministro Shinzo Abe, anunciou a sua renuncia, após um ano no poder marcado por escândalos de seus ministros. Imagine essa situação aqui no Brasil, no qual os ministros e amigos do presidente Lula estavam metidos em escândalos muito piores comparados ao do Japão. Mas é só dizer que não sabia de nada, e as coisas se esclarecem. Eu acho que o primeiro-ministro japonês não aprendeu com o Lula, ou melhor, o povo japonês não tolera piadinhas sem graça.


Voltando a absolvição de Renan Calheiros, acho que a melhor definição sobre o episodio de ontem, foi dada pelo Senador Demóstenes Torres:


“A Imagem do senado, hoje, é a de um pau de galinheiro”.


Estou de pleno acordo!

Teatro do absurdo
ELIANE CANTANHÊDE

BRASÍLIA - Já não se fazem mais Supremos Tribunais Federais como antigamente. Hoje, ministros trocam e-mails durante sessões históricas, tratam os colegas por apelidos jocosos, são suspeitos de acertar voto e, alguns, de delegar seus votos para assessores.
O novo lance, flagrado pela repórter Vera Magalhães, foi o telefonema do novato Ricardo Lewandowski (da leva Lula) em que ele acusa os ministros de não "amaciar para o Dirceu" porque votaram "com a faca no pescoço", "acuados pela imprensa". Os louros pela decisão histórica duraram dois dias e foram triturados em dez minutos.
Os ministros se sentiram atingidos e reagiram mal, evidentemente, exigindo uma manifestação enérgica da presidente do Supremo, Ellen Gracie, que só no meio da tarde soltou uma nota tão formal quanto ela própria.
Quem se deu bem foi Dirceu, que -com toda a razão, diga-se de passagem- agora quer melar o julgamento e, brandindo a Folha, encenou uma inversão de papéis: em vez de réu por corrupção ativa e formação de quadrilha, ele se colocou como vítima num "teatro do absurdo".
A adaptação rápida do roteiro dificilmente vai colar, pois o único voto a favor de Dirceu foi justamente de Lewandowski. Mas dá força para Dirceu exercitar sua forte liderança sobre os setores do PT que não aceitam fatos e insistem na tese da "conspiração da mídia".
Se há conspiração, não é só da mídia. Senão, vejamos: começou com Roberto Jefferson, aliado de Dirceu, ficou sob a mira da imprensa, passou para as CPIs, foi ratificada pelo procurador-geral da República, admitida pelo ministro Joaquim Barbosa (da "elite branca e rica"?) e afinal votada em bloco pelo Supremo. Haja conspiração! Lewandowski lançou suspeição sobre o Supremo. Se o ministro Eros Grau ("Cupido") cumprir a ameaça de processá-lo, ele pode vir a se juntar a Dirceu -como réu.


elianec@uol.com.br
MENSALÃO CHEGA AO PLANALTO!!!

29/08/2007
Aliado político do presidente brasileiro enfrenta julgamento por corrupção
> subtitulo = ''; if (subtitulo.length > 2) { document.write (''+subtitulo+'
') };
Alexei Barrionuevo
No Rio de Janeiro


Um escândalo de corrupção que paira como uma nuvem negra sobre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva há dois anos intensificou-se nesta semana depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) do Brasil decidiu em votação submeter o ex-ministro-chefe da Casa Civil a julgamento devido a acusações de corrupção.

Os ministros do STF votaram unanimemente na última segunda-feira a favor de transformar em réu José Dirceu de Oliveira e Silva, o mais próximo aliado do presidente a ser julgado no esquema que envolvia a compra de votos. Depois disso, na terça-feira (28/08), os ministros decidiram por nove votos favoráveis e um contra aceitar a acusação de que ele seria o "líder da organização criminosa".

Dirceu, que muitos consideram o arquiteto da ascensão de Lula ao poder, renunciou ao gabinete em junho de 2005, após ter sido acusado de liderar um esquema para pagar membros do Congresso a fim de que estes apoiassem o Partido dos Trabalhadores.

MENSALÃO NA MÍDIA
aio Guatelli/Folha Imagem -30.nov.2006
José Dirceu mostra foto sua ao lado do presidente Lula
FINANCIAL TIMES
EL PAÍS
Os ministros também decidiram na segunda-feira submeter Delúbio Soares, o ex-tesoureiro do partido de Lula, a julgamento devido às denúncias de corrupção. Cada um dos réus poderá ser condenado a até 12 anos de prisão caso for considerado culpado.

Esta foi a primeira vez em que o Supremo Tribunal brasileiro votou favoravelmente à imposição de penas criminais contra autoridades políticas de alto escalão. "Não há dúvida de que este é um momento histórico para o tribunal", afirmou Lúcia Hippolito, analista e professora de ciências políticas que mora no Rio de Janeiro. "Os dias de impunidade para os privilegiados parecem ter acabado".

No Brasil poucos políticos acusados de corrupção vão de fato para a cadeia. O Supremo Tribunal se recusou anteriormente a acusar criminalmente o presidente Fernando Collor de Mello, depois que este renunciou ao cargo em meio a um processo de impeachment em 1992. Segundo foi revelado à época, Collor operava um caixa dois secreto multimilionário.

Lula, um ex-líder sindical, se distanciou do escândalo em 2005, e foi reeleito um ano depois, ainda que políticos da direita e da esquerda tivessem descartado a sua possibilidade de vitória.

Os ministros ainda estavam decidindo na terça-feira que acusações exatamente serão feitas em julgamento contra os dois homens e os outros 38 indivíduos que foram considerados réus no esquema de corrupção, mas eles informaram que dentre as acusações consideradas estão as de apropriação indevida de verbas, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha e fraude. Embora o partido de Lula tenha admitido o uso de verbas ilícitas para o financiamento das campanhas eleitorais dos seus membros e dos aliados no congresso entre 2002 e 2004, o Partido dos Trabalhadores negou que o dinheiro tenha sido utilizado para o pagamento de propinas a parlamentares.

O atual escândalo estourou em maio de 2005, quando um funcionário graduado dos Correios foi flagrado em uma gravação em vídeo pedindo propina a uma potencial empreiteira em nome de um dos importantes aliados políticos de Lula. O funcionário alegou que outros nomeados políticos que ocupavam cargos em agências estatais estavam envolvidos em esquemas similares para beneficiar os partidos aliados de Lula.

O presidente conseguiu evitar danos políticos resultantes do escândalo de corrupção, bem como das acusações de outras aparentes demonstrações de incompetência. No mês passado, um acidente aeronáutico em São Paulo que matou 199 pessoas revelou a vasta gama de problemas que aflige o sistema de aviação do país. Vários políticos e analistas afirmaram que o presidente não tomou providências suficientes após um outro acidente mortífero ocorrido apenas dez meses antes.

Mas o elevado índice de aprovação de Lula continua praticamente não sendo afetado. Hippolito disse acreditar que as acusações feitas nesta semana poderão prejudicar o presidente porque elas trazem o escândalo para a porta de Lula.
FUGINDO PELA TANGENTE!!!!
CONGRESSO

Collor tira licença do Senado e evita o julgamento de Renan

DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

O senador Fernando Collor (PTB-AL) não deve votar no processo de cassação contra o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Ele vai tirar uma licença de quatro meses a partir da próxima semana. Renan foi líder do governo Collor na Câmara e primeiro político a romper com o então presidente da República durante o processo de impeachment.
A justificativa de Collor é que, nesse período, o Senado não vai discutir nem votar os temas de seu interesse, que são reforma política e ambiente, então ele aproveitará para atender convites para fazer palestras. O senador, que não receberá salário enquanto estiver de licença, disse que também se dedicará à organização do PTB em Alagoas para a eleição 2008.
Tanto Collor quanto Renan afirmam que superaram as divergências do passado, mas o ex-presidente da República não tem sido visto na Casa desde que as denúncias contra o presidente do Senado vieram à tona.
Nos quatro meses o mandato de Collor será assumido por seu primo e suplente Euclides Mello (PTB-AL). Essa também é uma forma de dar visibilidade a Euclides, que será candidato a prefeito de Marechal Deodoro (AL).
Collor voltou à vida pública neste ano, 14 anos depois de ser afastado da presidência da República acusado de corrupção. Seu primeiro ato no Senado foi utilizar a tribuna para dar sua versão do processo de impeachment.
Ele aderiu à base de sustentação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, se aliando ao PT, que foi o principal artífice de sua saída da Presidência.

Dirceu, o ministro sem pasta !

O consultor de empresas privadas — o nome de sua função é um elogio ao eufemismo — e deputado federal cassado José Dirceu lançou ontem o seu site em Brasília. O evento também marcou a largada de sua campanha em favor do que chama “anistia”. No mundo inteiro, tal palavra está associada a um perdão político. Dirceu foi cassado sob a acusação de corrupção. Não lhe tiraram o mandato por crime de consciência. Mas adiante: o homem que diz que um telefonema seu para o Planalto “é um telefonema...” (sugerindo que é ouvido) e que afirma fazer alguns serviços para Lula aproveitou a festa para acusar, vejam vocês!, as oposições de “golpistas”.
Dirceu é um hábil marqueteiro — nessa tarefa, sim, ele se sai bem. Sempre afetou aquele ar de superioridade e grandeza diante das dificuldades. O tempo em que foi superministro coincide com alguns dos piores momentos do governo Lula. Embora o Apedeuta recorra a seus préstimos no paralelo, como o próprio Dirceu assume, o fato é que até o petista-chefe deve se sentir um tanto aliviado com a distância. No poder, o então ministro era o rei das câmaras, lembram-se? Debatia-se muito; fazia-se quase nada.

Mas voltemos à acusação de Dirceu. Quem é ele? Como não lembrar do homem que, falando no palanque de uma assembléia de professores, afirmou que os petistas deveriam “bater” nos tucanos nas ruas e nas urnas? Dias depois, de fato, o então governador Mário Covas foi agredido. Aquilo era tentativa de golpe? Tomar a Esplanada dos Ministérios, num movimento coordenado pelas CUT, como se fazia à farta no governo FHC, era só liberdade de manifestação e opinião?

Dirceu pode até perder os pêlos, mas não perde o vício. A única acusação cabível à oposição é a de excesso de lhaneza. — trato desse assunto em artigo publicado na VEJA desta semana. E por que, então, a cascata do ex-ministro? Ocupar espaço, empurrando as oposições para uma espécie de defensiva: “Nós não organizamos o movimento ‘Cansei’ nem a passeata contra Lula. “

O mais interessante é que não organizaram mesmo. Ao insistir em tal tecla, Dirceu pretende que as oposições passem longe dos movimentos de protesto contra Lula. Faz um esforço para mudar a pauta do noticiário na esperança de que a falta de apoio logístico aos protestos acabe por levá-los ao esmorecimento.

Na edição de hoje, informa o Estadão: “Na noite de ontem, além do site, ele [Dirceu] distribuiu um livro de 107 páginas, intitulado Em Defesa de Dirceu, com informações sobre o processo, a cassação de seu mandato, em novembro de 2005, e a denúncia do Ministério Público. ‘Se a denúncia for aceita, quero ser julgado em no máximo dois anos”, afirmou. “Não posso ficar como réu sem julgamento, não quero prescrição nem impunidade.’” Falando ainda como ministro, com site, escritório político, uma frenética agenda de “consultorias” e disparando telefonemas para o Palácio do Planalto, Dirceu é a mais emblemática figura da impunidade do lulo-petismo.

Não é que ele tenha conseguido dar a volta por cima. A política brasileira é que está dando a sua volta por baixo
 
Blog Reinaldo Azevedo
8.8.07
A PRIMEIRA VAIA JAMAIS SE ESQUECE!

ESTAMOS PREPARANDO MUITAS OUTRAS!!!

 

villas@jb.com.br
O riso nervoso da culpa e da paúra

Mestre em mergulhar em águas turvas para subir à tona na hora certa, o novo ministro da Defesa, Nelson Jobim, assumiu com os sete fôlegos de dono da área, com carta branca para colocar em ordem a mixórdia do tráfego aéreo e deu o recado em duro improviso no qual enquadrou o presidente Lula na moldura dos compromissos assumidos ao insistir no convite. Aproveitou o embalo para comunicar aos comandos das três armas e aos dirigentes da barafunda de mais de um dezena de órgãos que batem cabeça na inchada burocracia do setor aéreo enquanto os aviões despencam que "comando, a partir de agora, vai haver".

O brado soou como aviso que reboa na casa vazia, e seu eco chegou amortecido ao gabinete da todo-poderosa ministra Dilma Rousseff, chefe da Casa Civil e virtual presidente em exercício. Um chega-pra-lá, pois há espaço para a dupla no Palácio do Planalto.

Mas, antes de o novo astro anunciar as medidas iniciais para enxugar a bagunça de albergue do setor aéreo, não pode passar em branco o clima da cerimônia de despedida do desconsolado ministro Waldir Pires, que o presidente Lula comandou na inadequada euforia de festa, quando todas as evidências recomendavam o decoro do respeito à segunda tragédia no espaço de dois meses, com mais de 400 vítimas, além do vexaminoso descaso com que vem sendo maltratado o usuário do transporte aéreo, com a interminável desordem dos aeroportos, sem hora certa para acabar.

O momento recomendava a discrição de uma simples posse breve e contida, sem oratória nem a fila dos cumprimentos. Bastaria o aperto de mão e as pancadas nas costa. Mas o presidente, sumido desde a vaia no Maracanã, não resistiu à atração do microfone. Cócegas na goela espicaçaram a amarfanhada vaidade do improvisador fluente. E Lula perdeu o controle da língua. A ocasião dispensava piadas e gracinhas. Não há nada para rir. Mas o governo para o presidente é uma festa, uma sucessão de viagens, recepções, salamaleques e discursos. A confissão de que tem medo de avião, francamente, parece deboche. Pois não há termo de comparação entre as viagens presidenciais, com avião especial comprado para o seu uso e gozo (como recomenda a ministra sexóloga) e tripulação às ordens. Sem entrar em fila para as decolagens e aterrissagens, longe do inferno imposto aos seus eleitores e a escumalha da oposição. Sei que não era esta a intenção, mas parece provocação.

E cá para nós, de que tanto ri e gargalha o primeiro escalão oficial? Na troca de ministro foi uma gargalhada de doer a barriga, jorrar lágrima dos olhos, exigindo lenço para secar a enxurrada. O patusco Milton Zuanazzi, o felizardo que abiscoitou o bilhete premiado da presidência da Agência Nacional de Aviação Civil (a descartável Anac), teve dois frouxos de riso nas ocasiões mais impróprias. Na última, ao depor na CPI do Apagão Aéreo, depois de chutar a responsabilidade da lambança para a Infraero, não segurou o riso e levou um puxão de orelha do deputado Vic Pires.

Tanto bom humor, o clima festivo e leviano em que o governo desfruta o poder leva a duas hipóteses que não se repelem: ou o governo finge para disfarçar a angústia que corrói a alma ou ainda não parou para avaliar o estrago que se prolongará, quem sabe, por três anos e meio do segundo mandato do presidente.

A primeira vaia nunca se esquece. Para fugir do cativeiro, nenhum teste melhor do que comparecer domingo, ao Maracanã, local da primeira vaia, para encerrar o Pan, em que conquistamos uma penca de medalhas com o desempenho fabuloso dos nossos atletas.

[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
Visitante número: